sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Tudo mudou sem nada mudar. Muito mudei sem nada mudar.
E isso nunca foi tão óbvio como agora. Nada começou, e já quero
saber como será o fim. Nada terminou, e eu esqueci como foi que eu comecei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário